Trabalhos de amor perdidos – Shakespeare

Livros de romances de shakespeare

Livros de romances de shakespeare Livros grátis

shakespeare-trabalhos-de-amor-perdidos

Trabalhos de amor perdidos
Uma verdadeira comédia. Nunca tinha lido nenhuma obra de Skakespeare, por achar que teria dificuldade na leitura, pensando ser muito rebuscada. Mas me enganei nessa obra. É um lado de Skakespeare que nunca pensei encontrar em livros. Ele foi irônico, sarcástico, meloso, amante, companheiro das falhas humanas. Esta obra demonstra que não devemos substimar o amor, pois ele pode chegar quando menos esperamos. Realmente fiquei encantada com o livro e recomendo a todos lerem.
Ele é pequeno, e mesmo com seus poemas e versos, é possível compreender qual o sentindo do texto, pois anteriormente vem relatando sobre ele.

O livro vem em primeira pessoa, o que já me agrada. Como sabemos, os textos de Skakespeare são obras teatrais e esse não é diferente. Não há diferença entre o apóstofo ( – ) ou se vier acompanhando do nome do transmissor. Possui leitura fácil.

Três nobres cavalheiros junto com rei Ferdinando, decidem fazer um juramento, o qual obrigava-os a ficar sem ter contato com uma mulher durante três anos. Quem descumprisse o juramento seria castigado da forma como o rei quissesse e a mulher seria possivelmente morta.
O que eles não esperavam é que assim que fizessem o juramento, uma princesa e suas damas de companhia chegassem a cidade para requerer uma dívida.

Longaville [pegando outro papel] – Este aqui deve servir. [Lê o poema:]
Penso que a celestial retórica do teu olhar,
Que argumento nenhum consegue contrariar,
Persuadiu a cometer perjúrio o meu coração.
Quebrar promessa por ti tem que ter perdão.
Jurei não ver mulher, mas posso provar que te olhar,
Sendo tu uma deusa, não é perjurar;
Meu juramento foi mundano, mas tu és divina.
Ganhar teu afeto é dádiva que ilumina.
Palavras são mero vapo; jurar é soprar no ar.
Tu, estrela solar, aqueces o meu mundo
E podes fazer esse juramento evaporar.
Se perjurei, não me culpes nem um segundo.
Que louco não cometeria a bela sensatez
De perjurar para ir ao paraíso uma vez?
Pag. 74

Já sabemos o que acontece agora; eles se apaixonam perdidamente pelas quatro senhoritas. O primeiro acaba se deletando de cara e por isso foi castigado com um jejum a base de pão e água por uma semana.
Eles chegaram ao ponto de perceber, que não adiantava nada respeitar o juramento e desrespeitar o amor, aquele sentimento que na bíblia relata como amar primeiro ao seu próximo depois a si mesmo.
Encontraram um motivo para terminar com o juramento. E assim o fizeram.

Bom, se querem saber o que acontece depois, recomendo que leiam, pois acredito que não irão se arrepender. O amor está em todas as páginas e seria ótimo ser imundado por essas “bobagens”.
Há muito aprendizado nessa leitura, pois o autor vem falando até das figuras de linguagem.

Deixe uma resposta