Machado de Assis: Dom Casmurro

Machado de assis

Machado de assis Livros grátis

Dom Casmurro – Machado de Assis

Bento Santiago se dispõe a narrar a história de sua vida. Trata-se de um homem na casa dos 60 anos, que, supostamente, teria muito o que contar. No entanto, desde logo fica evidente que seu interesse pela própria biografia tem um foco bastante dirigido: o relacionamento com a jovem Capitu, a vizinha que viria a ser o grande amor de sua vida. Personagem fascinante, Capitu possui um extraordinário poder de sedução, manifesto em seus “olhos de cigana oblíqua e dissimulada”, capazes de atrair como a ressaca do mar.

Por isso, o espaço dedicado à infância é insignificante, assim como aquele que trata mais diretamente da velhice. Os marcos temporais da narrativa e o âmbito de interesse do autor são limitados pelo período que vai da adolescência, quando tem início seu relacionamento amoroso, até a idade adulta, marcada pela traição da amada.

Moço rico, Bento vive sob a proteção da mãe, a viúva D. Glória, que ainda mantém sob sua dependência um grupo de parentes: o irmão Cosme, a prima Justina e o agregado José Dias. É nessa casa de velhos viúvos que Bento cresce. Depois da perda do primeiro filho, D. Glória jurou que o segundo seria padre. Tendo enviuvado quando o filho era ainda criança, o juramento se transformou em angústia e prenúncio de separação do filho único. O namoro com Capitu reforça no menino a falta de vocação, mas ele acaba por obedecer ao desejo materno e entra para um seminário.

No seminário, Bento e Escobar se tornam melhores amigos. Juntos, os jovens conseguem convencer os pais a retirá-los do seminário. Com isso, Bento se forma em Direito e se casa com Capitu, enquanto a melhor amiga desta, Sancha, acaba por se tornar esposa de Escobar. A felicidade de Bento se completa com o nascimento de Ezequiel, seu filho, que vem fazer companhia a Capituzinha, filha do casal amigo.

No entanto, uma fatalidade muda o rumo do grupo de amigos: Escobar morre afogado. Durante o velório, Bento percebe no comportamento da esposa marcas de um adultério que ele, até ali, não tinha suspeitado.

A partir desse momento, outros indícios se juntam ao primeiro. O maior deles é a grande semelhança que Bento vê entre seu filho e o amigo morto. Obtida essa prova viva da traição, separa-se e envia Capitu e Ezequiel para a Europa. Dali até a velhice, Bento vive em estado de relativa reclusão, o que faz surgir seu apelido: Dom Casmurro, que quer dizer introspectivo.

Ocorre que a expressão tem outro significado, que o narrador esconde do leitor desavisado: teimoso. E se a primeira definição mostra o comportamento do narrador, esta última revela o traço mais forte de sua personalidade: a insistência em defender o ponto de vista de acordo com o qual foi traído, mesmo sem a apresentação de provas incontestáveis.

CONTEXTO

Sobre o autor
Machado de Assis conseguiu como poucos desentranhar dos acontecimentos políticos de seu tempo o significado humano mais profundo. Assim, o ambiente aparentemente pacífico da vida institucional brasileira da segunda metade do século XIX escondia a violência da escravidão e do sistema de troca de favores que norteava a relação entre ricos e pobres. Ao falar do Brasil, Machado desnudava o ser humano em sua miséria moral. E construía a obra mais genial de nossa literatura.

Importância do livro
A temática da traição, presente em Dom Casmurro, é instigante por si só. A traição conduz o ser humano aos limites da racionalidade e à beira da perda da razão. No entanto, o traço fundamental da obra é o questionamento da verdade, entendida como um dos edifícios do realismo a que o próprio escritor pertencia. A intensidade desse diálogo – com o tempo, com as emoções humanas e com a arte – faz de Dom Casmurro um romance de releituras sempre proveitosas.

As marcas mais evidentes do estilo machadiano estão presentes no livro: a digressão (suspensão da narrativa para o desenvolvimento de reflexões paralelas), a metalinguagem (discurso sobre a própria arte) e o diálogo com o leitor, quase sempre conduzido com fina ironia.

Período histórico
O Brasil da segunda metade do século XIX era uma economia em formação e em transformação. O estabelecimento de bases capitalistas relativamente modernas convivia, e conviveria ainda por muito tempo, com a persistência de hábitos e pensamentos conservadores.

ANÁLISE

Encerrado o relato de suas memórias, Bento Santiago pode até se dar por satisfeito em ter sua tese comprovada. O leitor atento, porém, pode se permitir duvidar dele. O comportamento de Capitu no velório de Escobar não é prova suficiente de adultério. Tampouco a semelhança de Ezequiel, já que esta é alegada pelo narrador, sem que nenhuma outra personagem se manifeste a respeito.

Cada acusação que pesa sobre Capitu pode ser desmentida por quem se preste ao papel de advogado de defesa da moça. Mas se alguém, de fato, resolver cumprir a missão, é bom não esquecer que está duelando com um advogado bem sucedido. Se o leitor pode duvidar da verdade que Bento lhe apresenta, não tem muito o que fazer para contestá-la. Se os fatos alegados por ele podem ser questionados, também podem ser usados para montar uma história convincente – exatamente a que ele relata.

E enquanto os leitores se envolvem em incansáveis e intermináveis disputas a respeito da atribuição ou não de culpa a Capitu, muito provavelmente Machado de Assis se diverte, do espaço de onde poderia escrever, se quisesse, as suas próprias memórias póstumas. O motivo de seu riso é a própria discussão.

Na verdade, Dom Casmurro é um romance que trata da traição, sem que ela seja seu tema fundamental. O que se discute é o conceito de verdade, tema que transcende as traições, atingindo todos os níveis do relacionamento humano e, mais ainda, a forma como a humanidade constrói seus valores e sua moral.

Assim, Dom Casmurro toma a traição como ponto de partida para discutir temas mais amplos e permanentes, o que lhe confere a condição de obra atual. Ao mesmo tempo, parte dessa discussão ilumina seu próprio tempo, o que lhe confere uma marca histórica.

PERSONAGENS

– Bento Santiago: narrador e protagonista, conta a história de sua vida, focalizando o adultério de que se acha vítima.

– Capitu: moça pobre que se torna namorada e posteriormente esposa de Bento.

– Escobar: o melhor amigo de Bento, compõe com Capitu o triângulo amoroso em que o narrador vê sua vida transformada.

– Sancha: esposa de Escobar e melhor amiga de Capitu.

– D. Glória: mãe de Bento, superprotetora e controladora, mandou o filho para o seminário para cumprir uma promessa.

– José Dias: agregado que troca sua sobrevivência por bajulação.

– Prima Justina: dependente financeira de D. Glória.

– Tio Cosme: irmão de D. Glória, também dependente dela.

Deixe uma resposta